Home » Espiritualismo

Evolução exige trabalho e esforço, nunca sofrimento

Enviado por on 11/11/2009 – 01:38
Ewen e Donabel/CC

— Jesus nos diz que a vida é uma estrada pedregosa que leva a Deus. Parece contraditório pensar assim no caminho de nossa evolução espiritual. Mas não é.

— As pedras são as tentações que o orgulho e o egoísmo criam ao nosso próprio redor. E a estrada que leva a Deus exige de nós o trabalho de remover essas pedras de nosso caminho com nosso próprio esforço.

— Não devemos pois confundir trabalho com sofrimento. Nem ter medo do trabalho. O máximo que o trabalho nos traz é cansaço.

— O trabalho é a marcha, como diz Jesus. O lapidador transforma uma pedra bruta em uma pedra brilhante, modelada. Será que é uma metáfora que tem tudo a ver conosco? Nós somos as pedras de Deus, e ele é nosso perfeito lapidador. Ele nos criou, e ele não quer de nós o sofrimento. Ele quer o esforço, o trabalho.

— Mas é Deus que nos lapida [dá forma], ou nós mesmos que nos lapidamos?

— Ele nos cria como pedra bruta, e coloca em nosso caminho tudo o que precisamos para nossa própria lapidação.

— E o buril [instrumento que nos molda e lapida]? Qual é nosso buril? O trabalho.

— Deus não nos cria felizes, mas nos dá todas as condições para que venhamos a construir nossa felicidade. Se Deus me criasse feliz, esqueceria de me esforçar. Ou esperaria uma mágica.

— Se Deus é autor da minha felicidade, ele acaba sendo da minha infelicidade também, e não assumo responsabilidade por nada. Onde então vou buscar razão para me melhorar?

— A Doutrina Espírita esclarece isso de forma contundente. Indiretamente Deus é autor de minha felicidade, mas quem tem de construí-la sou eu. Toda vez que me sinto infeliz, a culpa é minha. Se sou infeliz, eu sou a causa de minha infelicidade. Ele nunca faria isso porque ele nunca me castiga.

— E então voltamos à estrada pedregosa. Deus a criou assim não para machucar meu pé, mas para que eu trabalhe e me esforce para remover as pedras.

— Trabalho e esforço, são esses os dois buris que vão nos lapidar, fazer com que nos tornemos lá na frente seres iluminados.

Palestra conferida por André Luiz (Espírito) em São Paulo no dia 11/11/2009, comentando o capítulo 8 (Bom Ânimo) do livro “Boa Nova”, de Humberto de Campos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: