Home » Espiritualismo

Caridade e vigilância: segredos da felicidade, mesmo na imperfeição

Enviado por on 02/12/2009 – 01:50
Ashwin Prasad/CC

— Há quem pense que o Evangelho exija de nós uma fortaleza permanente. Mas Jesus nos diz: “A verdade não exige, transforma”.

— Quem tem a verdade no coração tem a vigilância naturalmente. E qual é a verdade de Jesus? É a verdade do amor, da paz, da fraternidade, do perdão. O Evangelho nos ensina tudo isso.

— Quando a gente aprende e procura colocar essa verdade em prática vai se sentir tão bem com isso que vai querer continuar fazendo. Toda vez que agimos em prol da paz de nosso semelhante, isso volta para nossa mente, e a gente se sente bem.

— Para seguir Jesus não é preciso ser super-homem, mas apenas seguir seus ensinamentos. Quem age no seu dia-a-dia de acordo com o Evangelho —e não apenas na Igreja ou na casa espírita, onde é muito fácil— segue Jesus.

— Nosso verdadeiro comportamento, nossa verdadeira mudança é mostrada no dia-a-dia. Aí é que precisamos mostrar nossa força de vontade em manter o comportamento evangélico.

— Por que nos concentramos nos momentos de sofrimento, se já sabemos, com Jesus, que essa não é nossa realidade, mas só um momento de aprendizado? Se vamos adquirir a felicidade por toda a eternidade, por que nos preocuparmos com uma encarnação, que é como um segundo no tempo?

— O problema é que fazemos de nossas vidas uma eterna novela, fazendo com que este segundo estenda-se por quanto tempo nossas fixações mentais persistirem. Se você quer apressar a conquista da felicidade valorizando somente a dor, você na verdade a retarda.

— Mas existe um aspecto que é preciso relembrar —podemos ser felizes, mesmo sendo imperfeitos.

— Deus é a suprema inteligência. Ele nos criou para sermos felizes, não só na perfeição, mas também na imperfeição. Não preciso esperar por milhões de anos para alcançar a felicidade. Mesmo num mundo de expiação e provas já posso ser feliz —e para isso ele fez algo importante.

— Jesus disse: “Sede perfeitos, como vosso Pai que está nos céus é perfeito.” Isso não seria um absurdo? Como então nós, que estamos batalhando por nossa melhoria moral, vamos ser felizes desse jeito?

— É preciso saber interpretar as palavras do Mestre —Jesus quis dizer que precisamos imitar a Deus. Fazendo isso, seremos felizes mesmo na imperfeição.

— E como imito Deus? Praticando o bem. Veja como Deus é fantástico!

— Infelizmente, as religiões, com os conceitos de Satanás, de um Deus que castiga, não ensinaram estas coisas importantes para nós. O Espiritismo está vindo para relembrar. Se buscarmos somente fazer o bem, vamos ser felizes.

— E como só fazer o bem?

— É simples. Jesus deu a receita: “Só faça pelos outros todo o bem que você gostaria que fizessem para você”. Sempre que for fazer algo para alguém, pense: “gostaria que alguém fizesse isso para mim?” Se não gostaria, não faça.

— Veja como Jesus simplificou tudo para nós.

Palestra conferida por André Luiz (espírito) em São Paulo no dia 2/12/2009, comentando o capítulo 8 (Bom Ânimo) do livro “Boa Nova”, de Humberto de Campos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: