Home » Espiritualismo

Boa vontade e simplicidade: as chaves do “paraíso”

Enviado por on 09/12/2009 – 02:32
DaGoaty/CC

— Qual o maior valor: as aventuras do mundo, que ocupam o Espírito com a matéria e preocupações, ou a iluminação eterna, que se realiza somente pela boa vontade do homem?

— Jesus não diz que, para ganharmos o “paraíso”, precisamos ser “canonizados”. Precisamos apenas de boa vontade. Olha que coisa maravilhosa!

— Mas é claro: se eu me sentar em uma cadeira com boa vontade, esperando que minha iluminação caia do céu, ela não acontecerá. Ela precisa estar acompanhada de trabalho e, principalmente, de renovação moral, através da dedicação ao próximo.

— Qualquer pequena gotinha de bem que possamos fazer, façamos. Não percamos a oportunidade. Sem achar que precisamos fazer maravilhas. Deus respeita todas as nossas limitações, e jamais exigirá de nós o que não pudermos fazer. Nunca.

— As desilusões do mundo, problemas financeiros, problemas com dinheiro —são todos convites de Deus para revermos nosso comportamento. O que estou fazendo certo? O que devo corrigir?

— Mesmo a “morte” de nossos entes queridos. “Morte” entre aspas, porque sabemos que ela não existe. Jesus nos diz: Quem estará perdido, se Deus é o Pai de todos nós? Você pode ficar um pouco longe, mas você se acostuma. Tenha um pouco de paciência. A alegria do reencontro é sempre maravilhosa.

— Jesus é claro: ninguém jamais ficará perdido. Todos encontrarão o dia de sua alvorada, a alvorada de sua redenção, o começo de uma nova vida, de um novo caminho.

— A morte do corpo abre as portas de um mundo novo para a alma, e ninguém fica órfão na Terra ou no espaço. Eis porque todo discípulo do Evangelho tem que ser um semeador de paz e alegria.

— Vamos então nos esforçar para nos tornar pacatos e tranquilos. E sejamos alegres —não vamos deixar que os problemas e as dificuldades nos deixem cabisbaixos, em depressão.

Palestra conferida por André Luiz (Espírito) em São Paulo no dia 9/12/2009, comentando o capítulo 8 (Bom Ânimo) do livro “Boa Nova”, de Humberto de Campos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: