Home » Boa Nova, Estudos

Boa Nova: fazer o bem é a melhor oração a Deus

Enviado por on 10/07/2013 – 17:00 2 Comentários
Reprodução

O capítulo 19 do livro “Boa Nova”, de Humberto de Campos (Espírito), começa com o esclarecimento de Jesus quanto à oração. O Mestre trazia ideias novas, sobre ser Deus o Pai carinhoso e amigo, mostrando uma necessidade de comunhão com esse amor.

Acompanhe conosco o estudo completo do livro “Boa Nova”

Tudo isso parecia aos apóstolos algo inatingível para o ser humano, como ainda hoje parece, principalmente pela influência forte do deus sucesso em nossas vidas.

Vamos então entender o que é comunhão, e como é simples consegui-la com Deus.

 

  1. Mas afinal o que é comunhão? É aquela cerimônia que se faz na igreja?
  2. a) Nada disso! Comunhão significa estar juntos, envolvidos pelos mesmos pensamentos, sentimentos e ideais;

    b) Hoje sabemos que, pelo seu pensamento, Deus envolve toda sua infinita criação em seu oceano de amor;

    c) Somos todos “peixes” que vivemos nesse oceano, envoltos pelo amor de Deus;

    d) Porém existem dois comportamentos, que formam em torno de nós uma espécie de bolha ou escafandro, e nos isolam desse amor: o orgulho e o egoísmo;

    e) Assim, estar em comunhão com Deus significa estar imerso em seu infinito oceano de amor, mas também ter condições de absorver esse amor;

    f) O Pai regula a vibração desse amor de acordo com nossa capacidade vibratória de absorvê-lo;

    g) Porém é preciso ter essa capacidade, e isso é extremamente simples: basta fazer o bem;

    h) Em toda e qualquer situação em que fizermos o bem, estaremos automaticamente sintonizados com o amor de Deus;

    i) E é neste instante em que passamos a absorver seu amor que entramos em perfeita comunhão com ele;

    j) Da mesma forma, quando temos atitudes egoístas ou orgulhosas, deixamos de estar em comunhão com Deus, porque nos isolamos de seu amor;

    k) Porém quando voltamos a fazer o bem, voltamos a comungar com ele;

    l) E assim vamos caminhando através da evolução, até deixarmos de ser orgulhosos e egoístas, e entrarmos em perene comunhão com Deus;

    m) E se engana quem acha que só faremos isso na perfeição;

    n) Quando Jesus disse que fôssemos tão perfeitos com nosso Pai Celestial é perfeito, ele estava dizendo que mesmo na imperfeição, nós podemos estar sempre em comunhão com Deus;

    o) Ao deixar o orgulho e o egoísmo para trás, sendo Humildes e praticando a Caridade, mesmo na imperfeição só faremos o bem;

    p) Assim estaremos em perene comunhão com Deus. Lembremos que ele sempre regula sua vibração em relação a nós, de acordo com nossa condição pessoal.

     

  3. Nesta lição, Jesus faz ainda importante referência aos Essênios, desfazendo qualquer confusão quanto a referências sem sentido de que ele era essênio, ou aprendido com eles. Afinal, como diz Kardec em A Gênese, quem além de Deus poderia ter ascendência sobre Jesus?
  4. Após várias explicações a João, Jesus diz o seguinte: “É que cada criatura deve estabelecer o seu próprio caminho para mais alto, erguendo em si mesmo o divino santuário da fé e da confiança, onde interprete sempre a vontade de Deus com respeito ao seu destino. A comunhão da criatura com o criador é, portanto, um imperativo da existência e a prece é o luminoso caminho entre o coração humano e o Pai de infinita bondade.”

    a) Eis a perfeita definição de Jesus, do que é, e o que faz, por nós, a prece;

    b) Nossa evolução é trabalho nosso;

    c) E Deus tem para cada um de nós um roteiro;

    d) Quando estamos em dúvida sobre esse roteiro, podemos sempre nos esclarecer pela prece, desde que seja sincera,

    e) E sempre buscando nos esclarecer sobre o que fazer;

    f) Nunca pedindo para que as coisas sejam como queremos —mas como for melhor para nossa evolução;

    g) Deus, que é nosso Pai e nos ama, certamente só trará situações boas e úteis à nossa existência, como veremos a seguir.

     

  5. Mas a prece em si mesma já não é um sinal de confiança, como pergunta o apóstolo João?
  6. a) Eis a resposta do Mestre: “Será que também tu não entendes? Não obstante a confiança expressa na oração e a fé tributada à providência superior é preciso colocar acima delas a certeza de que os desígnios celestiais são mais sábios e misericordiosos do que o capricho próprio; é necessário que cada um se una ao Pai, comungando com sua vontade generosa e justa, ainda que seja contrariado em determinadas ocasiões.”

    b) Eis como deve ser a prece, para que se faça nossa comunhão com Deus;

    c) A melhor prece para Deus, portanto, é a prática do bem.

     

  7. No final, ao mostrar a João o que é comunhão com Deus, fazendo-o ver o esforço do lavrador em cavar um poço em uma região árida, Jesus diz:

a) “A região árida simboliza a alma humana vazia de sentimentos santificadores;

b) O trabalhador simboliza o cristão ativo, cavando junto dos caminhos áridos, muitas vezes com sacrifício, suor e lágrimas, para encontrar a luz divina em seu coração;

c) A água é o símbolo mais perfeito da essência de Deus, que tanto está nos céus, quanto na Terra.

d) É preciso tiramos o ‘alqueire’ de nossos corações, pelo amor, para que a luz, que através dos atributos o Pai coloca neles, possa resplandecer.”

 

Note que a bolha que criamos ao nosso redor quando temos atitudes de orgulho e egoísmo é o que a Lei Divina usa para isolar todos os desequilíbrios que causamos do restante da Criação, mantendo os enganos do orgulho e do egoísmo confinados e evitando que se transmitam ao restante da Criação?

Assim como faz com os indivíduos, a Lei Divina também isola as coletividades em desequilíbrio, sem isolar os que não têm as bolhas. Eis a razão da existência de planos de Expiação e Provas ou de Regeneração, como o nosso.

Fica claro também que se sofremos consequências desagradáveis junto a essas coletividades,ela justiça perfeita de Deus, só o será por problemas cármicos de anteriores encarnações.

2 Comentários »

  • Muitos/as se esforçam em rezas contínuas, de jejuns, de abstinências, de exigências rituais em seus cultos…mas o coração está longe de ser caridoso,tolerante,cooperante, perdoador e até separatista denominacional…. A Comunhão com Deus está longe,muito longe de o ser, pois a cara não diz com a careta!

    • Caro José,
      Já dizia Jesus que o coração do homem é o verdadeiro templo de Deus!
      Vamos nos ater aos bons exemplos —os de quem segue à nossa frente, e aos que nós mesmos, em nossa pequena contribuição, pudermos dar.
      E sigamos adiante!
      Abraços fraternos,
      Equipe do Blog

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: