Home » Espiritismo, Estudos, Kardec corrige

Espírito da Verdade explica erros na Codificação Espírita

Enviado por on 30/06/2015 – 14:05 2 Comentários
CC/Daniel Novta

Continuamos a publicação do livro “Kardec (em Espírito) corrige O Livro dos Espíritos“. No capítulo 6, o Espírito da Verdade explica por que, mesmo sendo um Espírito perfeito, deixou que houvesse erros na Codificação da Doutrina Espírita.

CAPÍTULO 6
(leia os capítulos anteriores)

Na introdução de “A Gênese”, diz Kardec:”(…) cada coisa deve vir a seu tempo, para vir com segurança”. Fizemos então as seguintes perguntas ao Espírito da Verdade, que nos respondeu da seguinte maneira.

35. Sendo você já perfeito, pois só um Espírito desta ordem teria condições de chefiar tão grande missão Consoladora, e tendo sido você o mentor de Kardec, por que deixou passar erros tão evidentes nas obras da Codificação?
a) Cada coisa deve vir a seu tempo;
b) No século de Kardec, assim como no século 20 e até abril de 2010, a Terra ainda era um planeta de Expiação e Provas;
c) Sendo assim, uma parcela razoável dos Espíritos aqui encarnados ainda necessitava do freio do medo para não cair em situações muito graves moralmente;
d) Era necessário haver um período de transição para que o planeta saísse do Ciclo de Expiação e Provas e ingressasse no Ciclo de Regeneração;
e) Mesmo com este freio do medo, o século 20 ainda presenciou duas guerras mundiais;
f) Se todo o terror mitológico ensinado pelas religiões por milênios fosse substituído pelo verdadeiro ensino Consolador do Espiritismo repentinamente, bilhões de Espíritos deixariam de ter condições de ficar na Terra.

36. Nossa! E por quê?
a) Eu e a falange consoladora sabíamos dos tipos de grupos de Espíritos em desequilíbrio que reencarnariam no século 20;
b) Sabíamos também das fortes tendências destes em se manter no desequilíbrio, causando grande resistência ao esclarecimento pelo amor;
c) Trariam, porém, o multimilenário freio do medo como comportamento atávico em suas reencarnações, o que geraria em suas mentes a ideia de castigo;
d) O freio do medo e a ideia de castigo reagiriam como impactos dolorosos muito fortes após o desencarne, fazendo-os sentir aquilo que fizeram os outros sentirem;
e) Tanta dor terminaria por cansá-los, com a correspondente busca do alívio;
f) O cansaço então os tornaria acessíveis ao esclarecimento com muito maior rapidez, permitindo que permanecessem na Terra no Ciclo de Regeneração;
g) Tudo isso sem ferir o livre-arbítrio de ninguém.

37. Não era possível que essas pessoas aprendessem de outra forma, menos dolorida?
a) Já vimos que só consertamos o “mal” com a prática do bem;
b) Para cobrir a multidão de pecados com o amor, como Jesus ensinou, é preciso querer fazer o bem;
c) Mas querer é sempre um ato de liberdade;
d) As falanges de Espíritos endurecidos que reencarnaram durante o século 20 e na primeira década do século 21, porém, eram totalmente refratárias à prática do bem;
e) Tinham a mente muito automatizada no “mal”, impedindo que desenvolvessem o sentimento;
f) O automatismo do “mal” também impedia que sentissem os efeitos das ações que tomavam por causa dos hábitos adquiridos em várias encarnações anteriores (eis o atavismo);
g) Por isso, só poderiam desenvolver seus sentimentos se pudessem sentir os efeitos do que faziam;
h) E isso só seria possível com o forte choque da dor;
i) E somente a ação atávica do freio do medo produziria isso, pois ela geraria a necessária ambientação na psicofera astral básica, pelas formas pensamento que criavam;
j) Sem o medo, não haveria a ambientação para a forte dor, e estes bilhões de Espíritos continuariam com a mente automatizada no “mal”, não podendo, assim, permanecer na Terra de Regeneração;
k) Isso porque, após o Apocalipse, não haverá mais em nosso planeta o umbral e as trevas, onde eles poderiam se manifestar;
l) Teriam então que ser exilados para um planeta que está agora saindo de sua pré-história;
m) Concluiu o Espírito da Verdade: o custo foi muito pequeno, para tão grande benefício;
n) Além do mais, era preciso respeitar a velocidade de todos, para respeitar a lei do livre-arbítrio, como vimos no capítulo anterior.

38. Você falou em terror mitológico. O que você quer dizer?
a) Os mais de 6.000 anos de culto mitológico aos deuses criaram no ser humano uma visão atávica e distorcida sobre Deus;
b) Este longo tempo gerou uma forte intuição na mente, que é espiritual e que, portanto, trouxe por seguidas encarnações esta visão distorcida de Deus;
c) Até Jesus, isso foi bom, pelo freio moral que criou;
d) Porém, ao ensinar a Caridade, Jesus começou a nos ensinar a fórmula perfeita para gradualmente vencermos essa visão atávica de Deus, que durou até abril de 2010, com o início do Ciclo de Regeneração;
e) Com a Caridade, você concentra sua vontade em fazer o bem para o próximo, o que faz com que se sinta feliz;
f) Ao criar esse “bom vício”, você passa a se preocupar mais com o próximo do que com Deus;
g) Isso faz com que você vá se desligando aos poucos do modo mitológico de ver Deus e passe a vê-lo pelo modo de Jesus;
h) Assim você esquece o “Deus mitológico” e, pela prática da Caridade, forma o novo conceito do “Deus Amor”;
i) E, como veremos mais adiante, não devemos nos preocupar nem com o primeiro mandamento, pois com certeza Deus quer que amemos nosso próximo, mesmo que nos esqueçamos dele, pois ele não é nem vaidoso e nem invejoso.
j) Grande parte dos habitantes da Terra entendeu isso, e rapidamente se livrou do círculo de expiações, desde a época dos primeiros cristãos;
k) Outra parte, que engloba as pessoas que estão no plano físico, no umbral e nas trevas, preferiu continuar com a Mitologia;
l) Daí a necessidade dos choques que as tribulações desse período de transição planetária causarão: só eles terão a força suficiente para acabar de vez com tal atavismo (já explicado);
m) Apenas após a entrada definitiva no Ciclo de Regeneração é que essa necessidade de mistura de situações deixará de existir.

Leia também

39. E como fica o “amar a Deus sobre todas as coisas”?
a) Este mandamento só fez sentido pela visão do Deus mitológico;
b) Dentro do conceito do Deus Amor, tal mandamento não faz mais sentido, pois se Deus exigisse ser amado sobre todas as coisas, ele estaria quebrando a situação de igualdade entre ele e nós;
c) Pois estaria criando situações de superioridade e inferioridade, o que eliminaria nosso atributo da Supremacia, que é quem define nossa unicidade e nossa vontade própria;
d) Além, é claro, de ser esta uma atitude de orgulho, que Deus não pode ter, já que ele é dotado da suprema humildade.

40. Mas se Kardec errou, para que serviu a Revelação Espírita?
a) Primeiro, Kardec acertou muito mais que errou;
b) Invalidar toda a obra de um autor por causa de alguns poucos erros seria o radicalismo oposto ao fanatismo cego;
c) Segundo, em “A Gênese”, Kardec explica que todos os grandes cientistas são reveladores;
d) Todo conhecimento sobre o mundo material nos é enviado pelos dirigentes espirituais de nosso planeta através deles;
e) Porém, somente o conhecimento não é suficiente para evoluir;
f) É preciso também o desenvolvimento da moral, pelo desenvolvimento das virtudes, principalmente a Caridade;
g) Só assim saberemos usar bem nossos conhecimentos e conquistaremos a sabedoria;
h) Como a vinda do Consolador já estava planejada para o século 19, era necessário que os reveladores das Ciências nos trouxessem a verdade sobre o mundo físico antes disso;
i) Isso porque era preciso terminar de vez com os erros mitológicos ensinados pelas religiões;
j) Era também preciso que essas verdades servissem de base para que a verdade completa das realidades física e espiritual nos fosse revelada;
k) Com o Renascimento, o início da Era Industrial e o Iluminismo, estava pronto o cenário para que o Consolador prometido por Jesus chegasse, com as primeiras fases da Revelação Espírita;
l) A quarta fase da Revelação Espírita se completou com o trabalho de Kardec, reencarnado na figura de Chico Xavier, além de outros médiuns, como Divaldo Pereira Franco;
m) A quinta fase está se completando com este trabalho;
n) A sexta e última fase da Revelação Espírita será trabalho meu e de milhões de espíritos redimidos, todos reencarnados.

41. Quer dizer que a Doutrina Espírita não se completou com Kardec e Chico?
a) Com o início do Ciclo de Regeneração em 18 de abril de 2010, faz-se necessário que o conhecimento das coisas espirituais tenha grande avanço;
b) É preciso, portanto, que o aspecto Consolador da Revelação Espírita seja colocado de forma completa, pois só os Espíritos de boa vontade permanecerão na Terra;
c) Isso dará a todos nós toda a base necessária para que, dentro de uma nova e melhor realidade, desenvolvamos as virtudes espirituais junto ao conhecimento material;
d) Só assim será possível equilibrar a evolução moral aos grandes passos que a ciência material deu no século 20, e que podem comprometer a vida física na Terra;
e) Tudo o que Jesus nos disse sobre os tempos atuais e o futuro próximo está confirmado por Emmanuel no capítulo Alvorada do Reino do Senhor, no livro “Há Dois Mil Anos”, e também no Apocalipse bíblico;
f) Também a declaração de Emmanuel, por meio de Chico Xavier, no programa “Pinga Fogo”, em que afirma que todo o processo de transformação planetária estaria completo por volta de 2057;
g) Portanto é preciso estar atento, pois, nessas próximas décadas grandes problemas ocorrerão em nossa Terra;
h) Problemas que poderão terminar com um grande cataclismo geológico, que desencarnará a grande maioria da humanidade;
i) Após a seleção final dos Espíritos nos tornaremos em definitivo um planeta de Regeneração;
j) Daí, a urgente necessidade de começar a mostrar todo o aspecto do Amor de Deus, através da Revelação Espírita, em sua quinta fase, que só agora pôde ocorrer.
k) Eu o Espírito da Verdade aproveito esta oportunidade, para adiantar a vocês, que a partir do término deste trabalho, começará a QUARTA REVELAÇÃO, que será trazida pelo próprio JESUS do plano espiritual, mediunicamente, nos mostrando a verdade sobre o Deus Amor.
l) Já que esta já é uma realidade com a presença plenamente perceptível de Jesus no plano espiritual.

Leia também

2 Comentários »

  • Milene disse:

    Irmãos, o Espirito de Verdade, nosso querido Mestre Jesus, que tão raramente se comunicou e o fez num momento necessário para o advento do Espiritismo, foi quem trouxe essa Doutrina de Luz para nós. E trouxe através daquele que foi escolhido por Ele, por tratar-se de um Espírito capaz de assumir essa missão. Se ele foi o eleito para isso, certamente foi pelas suas qualificações intelecto e, principalmente, morais. Ele é um Espirito Superior ( e entenda-se Superior como da segunda classe da segunda ordem – Espirito Bom – da escala espirita). Quando estudamos a Revista Espírita, vemos vários exemplos em que Espíritos evoluidíssimos o chamam de Mestre. Varias passagens em que ele corrige esses Espíritos, que acatam suas correções, por saber de sua superioridade. Jesus prometeu o Consolador que sabemos ser o Espiritismo. Não haverá quarta revelação. E nada que está na Doutrina até hoje foi contradito. Por não haver nenhuma contradição nela. Perdoem-me, mas creio que Jesus sabia perfeitamente o que estava fazendo, assim como Kardec. Vamos estudar as 32 obras de Kardec (sim, 32, porque não se resume as cinco obras conhecidas como fundamentais. Todas elas, livros, opúsculos, separatas e a Revista Espírita, são fundamentais. Vamos estudar aquele que melhor traduziu o pensamento do Cristo para evitar ficar disseminando coisas como essas. Paz e Luz!

    • Equipe do Blog disse:

      Milene, obrigado pelo contato.

      Já temos um artigo sobre a sua colocação quanto ao Espírito da Verdade ser Jesus ou não no link:

      Kardec confundiu Jesus e o Espírito da Verdade, diz Herculano Pires (espírito)

      Kardec, um ser superior

      De forma alguma estamos reduzindo a grande capacidade e o preparo de Kardec na sua missão, pelo contrário enfatizamos o importante trabalho de base sobre a análise da doutrina espirita que desenvolveu, mas isto não impede de forma absoluta que uma pessoa que ainda não atingiu a perfeição, possa cometer erros em função dos conhecimentos que tinha na época, como um dos exemplos, a avaliação que ele fez no livro Obras Póstumas – Teoria da Beleza, sobre os negros, dizendo que eles são feios e seus traços grosseiros e lábios espessos acusam a materialidade dos instintos, inviabilizando a manifestação delicada dos sentimentos de um espírito fino. E ele como europeu mais belo e na Revista Espírita – Abril 1862 diz que as características anatômicas craniana dos negros não possibilitam a encarnação de espíritos superiores em inteligência.

      Ora, no livro Brasil Coração do Mundo Pátria do Evangelho – Os escravos, Jesus esclarece que pediu a inúmeros espíritos muito elevados moralmente, de grande sabedoria e humildade, que reencarnassem entre os africanos, para que no período da escravidão ao serem transferidos para o Brasil, formassem a base social deste país, junto aos indígenas e europeus, e foi isto que trouxe um traço marcante na índole pacífica e flexível dos brasileiros, mesmo sendo um país de dimensões continentais.

      Qual país no mundo com tamanha diversidade populacional e cultural possui esse carisma que contagia as pessoas, excetuando as diminutas parcelas de comportamentos radicais, temos algum país nestas condições, onde acolhe os imigrantes de forma fraterna e estes que aqui chegam sentindo-se tão acolhidos e em condições de adaptação rápida aos nossos costumes?

      Kardec dispunha de meios para avaliar a influência social dos negros africanos na nação brasileira?

      Pela sua forte formação científica, adotou como base de análise sobre negros, um conceito dos cientistas da época, que foi a Frenologia (Revista Espírita – Abril 1862 – Perfectibilidade da Raça negra), que era uma ciência que estudava as características da personalidade das pessoas pelo formato da cabeça e como os negros tinham a parte frontal craniana mais inclinada, definiam que isto limitava a manifestação da inteligência, avaliando como fator físico não identificado nos europeus, sugerindo que o intelecto dos europeus era maior por não possuir tal configuração anatômica.

      Kardec (1804-1869) manteria nos livros da codificação o conceito de raça negra, caucasiana e outras raças se tivesse acesso ao Projeto Genoma (Estudo que mapeou o código genético humano entre 1990 – 2003), que identificou que temos somente a Raça Humana, o Homo sapiens sapiens, onde um africano pode ter em seu DNA o traço genético de brancos e vice versa?

      Kardec poderia supor que conforme registros científicos atuais, que o início da humanidade partiu da África?

      Mesmo com sua condição moral e intelectual, Kardec desenvolveu-se dentro da cultura europeia, no eurocentrismo, sendo a Europa o berço da intelectualidade mundial, com destaque para a França como centro deste berço.

      Devemos ter o cuidado e atenção para não criarmos o Mito da infalibilidade de Kardec, dando uma perfeição para quem não a atingiu e está em evolução. E não se trata de contrariar as verdades básicas nas obras de Kardec, como já mencionamos nas intocáveis verdades da revelação espirita, mas complementar e corrigir informações pontuais que se fizerem necessárias, atendendo exatamente o que ele nos disse: Que a doutrina espírita é dinâmica e evolutiva, não estando engessada, devendo corrigir e agregar os novos conceitos descobertos pela Ciência.

      Quarta Revelação

      A aplicação do Deus Amor remete uma nova forma de compreendê-lo, sem as condenações do terrorismo religioso que permaneceu por milênios e ainda persiste em parte atualmente, inclusive no meio espírita quando se diz que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória, ou seja o olho por olho dente por dente. Entretanto o Espírito da Verdade, que não é Jesus, mas Elias, que também foi João Batista, restabelecerá todas as coisas em toda ordem social aqui no plano físico, e ele irá reencarnar, aplicando a Quarta Revelação de Jesus.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: