Home » Espiritismo, Estudos, Kardec corrige, Manchete

Como veremos Deus no Mundo de Regeneração?

Enviado por on 14/06/2016 – 14:00
butterfly-doug_weterman

Deus deixará de ser o “velhinho barbudo” para ser o Ser Supremo, com todas as virtudes (qualidades) que sequer podemos imaginar. Causa-primária sim, mas muito além da Suprema Inteligência. O Ser Supremo e Origem Eterna da Criação.

Entenda como no 24º capítulo do livro “Kardec (em Espírito) corrige "O Livro dos Espíritos"“, que publicamos a seguir.

CAPÍTULO 24
(leia os capítulos anteriores)

268. Quer dizer que já passamos de nossa “infância espiritual”?
a) Sim! Como vimos, já estamos no Ciclo de Regeneração;
b) E, portanto no Ensino Médio de nossa Evolução Espiritual;
c) Está na hora de entendermos Deus mais de acordo com a sua realidade.
d) Ou, o Deus Amor de Jesus.

269. E como faço isso?
a) Como vimos no prefácio, estudando os Atributos de Deus;
b) Pois só assim teremos um conceito de Deus mais realista.

270. Como assim, “conceito de Deus”? O que é conceito?
De forma simples, conceito é aquilo que pensamos das coisas.

271. Mas nós não podemos errar em nossa avaliação? Ainda mais tão longe dele?
a) Sim. E por isso é preciso analisar bem as coisas, para ver se o que pensamos está certo;
b) Só assim podemos estar com a verdade;
c) Só assim podemos satisfazer o conceito de Fé Racional;
d) Lembre-se: precisamos aprender muito em nossa evolução espiritual;
e) Mas Deus é quem sempre está mais perto de nós, o tempo inteiro;
f) Como os bons Espíritos já ensinaram na Codificação, a oração é uma ótima forma de entrar em contato com ele. É assim que conseguimos buscar o equilíbrio e ouvir o que Deus tem a nos dizer.

272. Mas se eu não creio em Deus?
a) Aí as coisas complicam um pouco;
b) Pois este livro se dirige àqueles que estão confusos sobre Deus ou querem saber mais sobre ele;
c) Mas se você não crê em Deus, continue sendo leal, honesto e fazendo o melhor que puder;
d) Pois nosso Pai não está preocupado com sua crença, mas com suas atitudes.

273. Por que não provar a existência de Deus?
a) A existência de Deus não se prova, pois é uma verdade axiomática;
b) Acreditar que leis tão complexas que regulam o Universo e a vida são obras do acaso já saiu de moda, com a própria evolução da Ciência.

274. O que você quer dizer com isso?
a) Que a existência das coisas é uma demonstração clara (axiomática ) da existência de Deus;
b) Quem não quer enxergar isso é o “cego que não quer ver” de quem Jesus falou;
c) Quem não quer ver que a existência das coisas é uma prova clara da existência de Deus, não aceitará prova alguma, por mais forte que seja;
d) Além do respeito ao livre-arbítrio, sabemos que a “morte” mostrará a verdade a todos.

275. Vamos ao conceito de Deus?
a) Sim. Existem duas leis da Ciência material que dizem:
— Não há efeito sem causa e;
— Do nada, nada se tira. Nada se cria, nada se perde, somente se transforma;
b) Toda ciência material moderna se baseia nessas leis;
c) Mas, se nada se cria, nada se perde, somente se transforma, temos:
— Tem que existir uma matéria-prima primária (elementar), que dê origem a todos os fenômenos materiais;
— Se a matéria somente se transforma, ela tem que ser eterna, ou seja, existir de todo o sempre.
d) Mas se as coisas acontecem em sequência, do passado para o presente e do presente para o futuro, então tudo teria que ter começado lá no infinito passado;
e) Mas antes do infinito passado haveria ainda mais infinitas sucessões de tempo, o que nos leva a pensar em algo eterno: sem começo, nem fim, mas que sempre existiu;
f) Mas se a matéria sempre existiu e deve existir uma matéria-prima primitiva, quem a teria criado?

276. Não poderia ter sido o acaso?
Nada disso. Para o acaso fazer alguma coisa, ele precisa ter sobre o que agir.

277. Então não tem jeito: a sequência de causas e efeitos para chegar até o nosso Universo também teria que ser infinita, não é?
Sim.

Leia também

278. Mas se tudo na eternidade é infinito, então os fenômenos nunca podem acontecer em sequência, pois todos eles teriam que ser infinitos também, não é?
Com certeza.

279. Então só tem um jeito das coisas existirem.
Qual você acha que é?

280. Tem que haver alguma coisa que seja causa de todos os fenômenos da existência, que crie tais fenômenos sem ser um atrás do outro (em sequência), não é?
Nós não vemos outra maneira.

281. Mas se o acaso só poderia agir em sequência, então não pode ser ele!?
Novamente correto.

282. Logo só poderia ser Deus?
Exato! Por isso os Espíritos disseram a Allan Kardec que Deus é a Eterna Origem de todas as coisas.

283. E quais as consequências disso?
a) Se o único jeito das coisas existirem é de toda eternidade;
b) Para isso tem que haver uma Origem Eterna que crie por toda essa eternidade;
c) Para criar de toda eternidade, ele nunca pôde ter sido criado, já que a eternidade não tem começo e nem fim;
d) É por isso que ele tem que ser, único, eterno e incriado.

284. Agora deu para entender que a criação não tem começo e nem fim, por isso eterno.
Era aí que queríamos chegar.

285. Tem aquele ditado que diz: “não cai uma folha de uma árvo-re sem que Deus saiba”. Quer dizer então que Deus sabe das infinitas folhas em toda a sua criação?
Ora, mas é exatamente aí que Deus revela para nós a sua grandeza!
a) Se Deus cria de toda eternidade, poderíamos dizer que essa criação tem um tamanho também infinito;
b) Isto porquê a Revelação Espírita já provou a imortalidade do Ego (Espírito propriamente dito) e a Reencarnação. Então todos nós iremos existir para sempre;
c) Como a evolução continua existindo, pois todos nós aqui na Terra estamos longe da perfeição e estamos reencarnando continuamente para evoluirmos;
d) Fica provado que Deus continua criando. Como ele é eterno, e cria sempre, sua criação tem que ocupar um volume infinito, já que uma criação eterna só pode ser composta de infinitos elementos.
e) Então Deus tem que controlar uma coisa de um tamanho que não acaba nunca (infinito);
f) Para isso Deus tem que ter a capacidade de ver, sentir e agir sobre uma coisa que não acaba nunca, lá no sem fim;
g) Então os seus poderes têm que limitar esse sem fim;
h) Ou seja: os poderes de Deus transcendem a todos os infinitos, por limitá-los;
i) Agora pense comigo: se Deus é o único que não foi criado, tudo o que acontece de toda eternidade é criado por ele, seus poderes são transcendentes, e tudo o mais são criaturas dele, então ele não pode ser superado em nada;
j) Logo Deus é o Ser Supremo;
k) E para sermos iguais a ele, deu-nos Deus ao nos criar o atributo da Supremacia, para nos tornar também únicos como ele.

286. Agora dá para dizer o que é Deus?
Sim! O Ser Supremo e Origem Eterna de sua Criação!
Obs: Mudamos a colocação de Kardec, que diz ser Deus a inteligência suprema, por ser uma definição incompleta. Agora que estamos analisando os atributos de Deus, é possível entender que a inteligência é apenas um de seus infinitos atributos. Já o Ser Supremo envolve todos seus infinitos atributos. Somente a inteligência, sem outros atributos, pode levar a um desequilíbrio de que nossa atual civilização é um fiel exemplo —a maldade pode ser filha da inteligência, mas o Supremo Amor sempre equilibra a Suprema Inteligência. Quanto à Origem Eterna, ela nos permite entender a supremacia de Deus.

287. Sabendo disso podemos tentar deduzir, como Kardec fez para entender quais as capacidades mínimas que Deus tem que ter?
Claro. E como vimos, a isso chamamos de Atributos de Deus. Falaremos mais deles na próxima semana.

Leia também

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: