Home » Espiritismo, Estudos, Kardec corrige, Manchete

O que a verdade sobre Deus muda em minha vida?

Enviado por on 30/11/2016 – 07:06
kalyan02/CC

Após a correção de problemas técnicos que nos impediram de atualizar o Blog dos Espíritos, continuamos a publicação dos capítulos do livro “Kardec (em Espírito) corrige ‘O Livro dos Espíritos'”.

Deus possui a suprema bondade. Por isso, nunca castiga ninguém. Porém, ele tem a obrigação de me corrigir, pois só assim eu conquistarei a perfeita felicidade. Entendendo isso, aceito com tranquilidade as dificuldades e não sofro, pois sei que elas existem para corrigir meu comportamento e nunca para me castigar.

CAPÍTULO 26
(leia os capítulos anteriores)

306. Bom, você deduziu que Deus é único. E o que isso importa?
a) Ah! Sim. Boa pergunta. Um único Deus implica um único pai e, portanto, um monte de irmãos;
b) Se todos são irmãos, não há superiores, nem inferiores;
c) Todos os filhos de Deus são meus irmãos e merecem meu desvelo na Caridade, tanto faz se pensam como eu ou não;
d) E se Deus é único, também não existe essa coisa de Santíssima Trindade, como já vimos;
e) Como Deus é imaterial, não pode possuir nenhuma característica humana;
f) E, também como já vimos, Jesus não é Deus, mas um Espírito perfeito, de grande evolução, que já atingiu o estatus de gênio sideral;
g) E por isso ele foi encarregado por Deus para construir a Terra e comandar a sua evolução;
h) Santíssima Trindade é um conceito mitológico, que nada tem a ver com a realidade;
i) Tinha a ver com o conceito de deuses da Mitologia, mas nunca com Deus;
j) Porque os deuses eram considerados humanos como nós e, também, tinham famílias;
k) Eles até copulavam com as mulheres dos homens.

307. Realmente é lindo pensar em Deus, mas eu continuo achando que ele fica lá no céu, distante e na dele. Como é que minha vida muda quando eu mudo meu jeito de ver Deus?
a) Muda muito mais do que você possa pensar. É preciso, porém, que você entenda e queira mudar;
b) Deus jamais nos força, como vimos, a agir contra a nossa vontade;
c) E é por isso que às vezes sentimos dores: mas nunca por vontade de Deus. Somente pelo mau uso de nossa vontade;
d) Não se esqueça de que Deus possui a bondade suprema!

308. Já que você falou nisso, o que a bondade de Deus muda na minha vida?
a) Em primeiro lugar, a bondade de Deus explica a evolução espiritual, pois só esta explica a enorme variedade de comportamento das pessoas;
b) A evolução espiritual, consequência da bondade de Deus, diz que somos imortais e que todos seremos, um dia, perfeitos;
c) Diz também que teremos quantas encarnações forem necessárias para atingir a perfeição;
d) E seremos perfeitamente felizes, quando chegarmos lá;
e) Somos, portanto, herdeiros da infinita e eterna criação;
f) Você acha pouco?

309. Espere um pouco: esse negócio de perfeição parece distante. Eu quero saber no que a bondade de Deus me beneficia agora!
a) Por ter a suprema bondade, Deus não pode nunca me castigar;
b) Porém ele tem a obrigação de me corrigir, pois só assim eu conquistarei a perfeita felicidade;
c) Pense que, caso ele não me corrigisse, eu poderia insistir para sempre no mal, e então Deus teria criado demônios;
d) Entendendo isso, nunca vou levar as dificuldades da vida à conta de castigos, mas como meios que Deus me proporciona para que eu me corrija;
e) Assim, aceito com tranquilidade as dificuldades e não sofro, pois sei que elas existem para corrigir meu comportamento e nunca para me castigar;
f) Entender Deus como ele realmente é que faz com que eu entenda que devo confiar plenamente nele;
g) Isso também me faz compreender que devo mudar meu comportamento não porque Deus me obriga, mas para corrigir meus defeitos e parar de “sofrer”, desde já;
h) Sim, pois se só corrijo meus defeitos aprendendo a fazer o bem;
i) Então eu necessariamente terei que fazer o bem;
j) Mas, sempre que faço o bem, sou feliz. Não é interessante?

310. Ora, mas se ele precisa nos corrigir, por que ele nos cria? Não seria mais fácil para ele (e para nós!) criar todos os seus filhos já perfeitos?
a) Seria mais fácil em nossa visão. Mas então Deus teria criado robôs, e não filhos;
b) Não teríamos vontade própria, e sem vontade própria não seríamos indivíduos e únicos, como ele;
c) Deus nos cria simples, ignorantes e potencialmente perfeitos para que tenhamos o trabalho de construir a própria vontade;
d) Mas, se a vontade é própria, ela é única, o que nos torna únicos e supremos, em igualdade com nosso Pai;
e) Ainda, se a vontade é própria, nós temos que construí-la, e temos também que ser livres para isso;
f) Porém, a liberdade só existe com a respectiva responsabilidade, pois só assim praticaremos a Caridade e viveremos em equilíbrio social;
g) Daí, a Reencarnação, a Evolução Espiritual, A Lei do Livre-Arbítrio, A Lei de Causa e Efeito e nossa Consciência a nos orientar;
h) E como Deus possui a suprema Caridade, o supremo Amor e a suprema Humildade, ele nos cria a todos para ter a quem amar.

311. Quer dizer que Deus é a suprema Caridade, o supremo Amor e a suprema Humildade? E ele me cria só para ter a quem amar?
a) Exatamente! Deus só é bom porque é caridoso;
b) Sendo caridoso, ele tem que ter alguém para manifestar o seu amor, pois a Caridade nos leva a amar os outros na prática para que sejamos felizes;
c) Assim, para satisfazer a sua suprema necessidade de amar, Deus tem que criar infinitos filhos;
d) E também nos amar desveladamente, trabalhando sempre pela nossa felicidade;
e) Jamais criando qualquer situação de sofrimento para qualquer um de seus filhos.

Leia também

312. Como pode ser que Deus, o ser supremo do Universo, seja humilde?
a) Veja, Deus não é só humilde. Ele é dotado da suprema Humildade;
b) A Humildade é uma virtude;
c) E só os humildes olham a todos com igualdade;
d) Só os humildes não se sentem melhores do que ninguém;
e) Ou se é humilde, ou orgulhoso;
f) Os fatos nos mostram que o orgulho só causa o mal;
g) Como Deus só pode fazer o bem, ele tem que ser humilde.

313. Sendo humilde, Deus não se sente melhor do que ninguém?
a) Já vimos que Deus não pode ser superior a ninguém, para não criar graus de diferenças em sua criação, pois isto anularia nossa supremacia e unicidade;
b) Sentir-se melhor, seria o mesmo que se sentir superior, o que seria um ato de orgulho.
c) Assim nem Deus, e nem qualquer um de nós, pode ter tal sentimento.

314. Espere aí! Deus não se sente melhor que ninguém?
Tanto tudo o que vimos anteriormente, quanto agora, mostra que ele não pode. Se não pode, Deus não se sente.

315. Seria como se Deus se esquecesse dele mesmo para só cuidar de nós?
a) Seria não: é!
b) É também assim que Deus nos ensina que só os humildes podem ter poder;
c) Lembre-se de que Jesus, o governador espiritual de nosso planeta, lavou os pés de seus discípulos na última ceia;
d) E se Jesus, criação de Deus, ensinou a Humildade, o que esperar de Deus?

316. Poxa, como somos injustos com Deus, achando que ele é igual a nós, orgulhoso de seu poder!
É, precisamos pensar muito sobre isso e tirar essas ideias mitológicas e velhas da cabeça.

317. E porque Deus age assim conosco?
a) É por causa da suprema Caridade;
b) Como a maior das virtudes, a Caridade nos leva a expandir nosso amor;
c) Mas é preciso ter com quem expandi-lo.

318. É por isso que Jesus nos ensina a amar a Deus sobre todas as coisas?
a) Qual o filho normal que não ama desveladamente seus pais amorosos e carinhosos?
b) Quem merece mais o nosso amor do que alguém que, detendo o supremo poder, se iguala a nós para nos amar e proteger, nos tornando iguais a ele?
c) Mas Jesus também disse que, semelhante a amar a Deus, havia o mandamento de amar ao próximo como a si mesmo;
d) Se você juntar isso ao fato de que a suprema Humildade nunca esperaria reconhecimento, entenderá que Deus não cobra o nosso amor, mas só quer que sejamos, todos os seus filhos, felizes;
e) Por isso a lei da Caridade é a mais importante regra de conduta, que cria a relação perfeita entre nós e Deus;
f) Se eu esquecer de mim mesmo e praticar o bem ao próximo, vou agir exatamente como Deus age;
g) E então o amor a Deus vai nascer em mim espontaneamente, e não porque fui obrigado a amá-lo por causa de um dogma ou mandamento.
h) Pergunte a muitas pessoas, a quem elas amam mais: se a Deus ou a seus filhos?
i) Se elas forem honestas e não “temerem” a Deus, com certeza responderão, em sua maioria, que amam mais a seus filhos.
j) O mandamento “amar a Deus sobre todas as coisas”, não tem nenhum sentido nos dias de hoje, principalmente se tal mandamento fosse ditado por ele.
k) Exigindo que o amássemos acima de tudo, Deus não seria humilde. Quem não é humilde é orgulhoso. Mais que orgulhoso, Deus seria invejoso não permitindo que fossemos mais amado que ele.
l) Percebe como a análise correta dos atributos do Pai, nos leva a entendê-lo melhor e a não ter nenhum medo dele?
m) Fora TEMOR a Deus!

319. Meu amigo! É preciso mudar muito nosso pensamento sobre Deus!
a) Só entendendo Deus como realmente ele é conseguiremos fazer isso;
b) Deus é de todo o sempre, o Deus Amor, o Deus Consolador;
c) Eis o Deus que Jesus trouxe, e que o Espírito da Verdade está revivendo com a Revelação Espírita, e Jesus agora está completando tais ensinos com a Quarta Revelação.

Leia também

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: