Home » Destaques, Espiritualismo, Estudos, Kardec corrige, Manchete

Como transformar expiações em provas?

Enviado por on 30/08/2017 – 18:33
superacao

Em mais um capítulo do livro “Kardec (em espírito) corrige o Livro dos Espíritos”, entenderemos como Deus age auxiliando na transformação de nossas expiações em provas, através de seus perfeitos e infinitos atributos. Trabalhando sempre com as melhores condições para que não passemos, durante a nossa evolução espiritual, uma dor maior do que a que realmente precisamos para nos corrigir.

 

CAPÍTULO 35
(leia os capítulos anteriores)

 

434. Ora, e é possível transformar expiações em provas?

-Relembrando que Deus não julga, não pune, não castiga, e que sempre nos leva a corrigir nossos erros e “males” pelo amor, vamos entender que:

a) A expiação ocorre sempre que insistimos em continuar fazendo “maldades”, mesmo após termos recebido a chance de nos corrigir pelo amor;

b) Com isso agravamos em muito nossas doenças morais, transformando-as em vícios, precisando do alerta da dor para entender as consequências de nossas ações;

c) A dor não nos exime de mudar nosso comportamento pela prática do bem, e não corrige nada. Ela é só um alerta. Repetimos: a correção só vem pelo amor;

d) E, como também já vimos, é preciso um planeta que propicie as condições para isso;

e) Provas são aquelas situações em que precisamos aprender o que não fazer, que chamamos de “mal”;

f) E Deus sabe disso com muita antecedência, graças à sua ONISCIÊNCIA.

435. Já foi explicado que na Terra existe mais gente em provas do que em expiação, e os que estão em expiação já praticaram e insistiram na prática do mal. Mas você não disse como transformo uma na outra…

-É aí é que entra a importância de conhecermos alguns atributos de Deus:

a) Seria INJUSTO Deus nos colocar em situações de dificuldade se não fosse o melhor para nós;

b) Seria SÁDICO se Deus nos deixasse passar por dores maiores das quais precisamos para acordar;

c) Falta de SABEDORIA, se não fosse a melhor solução para nossa necessidade de correção;

d) Falta de ONIPOTÊNCIA por não ter feito o melhor para mim;

e) Falta de SABEDORIA, ONIPOTÊNCIA E BONDADE, por não ter reduzido ao mínimo a dor necessária ao meu aprendizado e correção dos males que fiz;

f) Falta de PREVIDÊNCIA, por não conseguir providenciar o melhor para mim a tempo;

g) Falta de CARIDADE em Deus, se ele não resolvesse tudo com muito amor;

h) Faltaria também o AMOR em Deus, por não ter sido CARIDOSO comigo;

i) Fora outros atributos que seriam desrespeitados.

436. Mas o que Deus tem a ver com transformar minhas expiações em provas?

a) É que Deus, por seus atributos, tem a obrigação de fazer o melhor para nós, pois afinal de contas ele é o ser SUPREMO;

b) Assim, a Fé Racional e os atributos de Deus nos dão a certeza de que, seja qual for nossa situação, ele está sempre fazendo o melhor para nós.

c) Não há como ser diferente; ou então ele não seria Deus;

d) Mesmo quando estamos praticando as maiores atrocidades, por causa de nossa supremacia e nosso livre-arbítrio (que ele respeita), Deus está fazendo o melhor para nós;

e) Pois apesar de nos complicarmos, adquirindo graves doenças morais, estamos ensinando grande quantidade de pessoas sobre o que não fazer, ou como elas devem agir, fazendo apenas o bem.

437. Quer dizer que basta confiar em Deus para aliviar meu coração?

a) Exatamente! Porque é impossível que o Deus Amor cometa erros, julgue ou puna um filho;

b) Pois se assim fosse, Deus nem sequer poderia existir;

c) Seus atributos são as perfeitas garantias do que ele realmente é. E ao compreender e aceitar isso começo a deixar o orgulho de lado e as situações difíceis ficam mais leves;

d) Quando deixo meu orgulho de lado, deixo também de agir como “coitadinho”;

e) E evito a consequência desta atitude, a revolta que manterá nossa situação sem solução.

438. É! Para desconfiar de Deus não dá. O que não fazer para transformar PROVAS em EXPIAÇÃO?

a) Primeiro e antes de qualquer coisa, confiar plenamente em Deus, sabendo que ele sempre fará o melhor para nós;

b) Entender que nosso Pai, JUSTO E BOM, jamais nos dará um problema para resolver sem nos dar o conhecimento, a força e o apoio que precisarmos;

c) Ele sempre nos colocará na exata e melhor situação, condição e lugar;

d) Isto fará com que não me revolte, que é a condição de maior importância para que eu transforme minha situação de expiação em situação de prova.

e) Para nós resta apenas confiar na vontade de Deus, como disse e exemplificou Jesus antes e depois no Calvário, mesmo nada tendo a corrigir, pois era perfeito;

f) E fazendo todo nosso esforço, trabalhando com afinco no bem, que certamente sairemos de toda e qualquer situação, por mais difícil que seja.

439. E quando caímos na total miséria, sem termos sequer onde morar?

a) Em capítulo anterior, nós mostramos o quanto somos cuidados pelos socorristas espirituais em tais situações;

b) Segundo, isso nos acontece porque Deus respeita a nossa supremacia e o nosso livre-arbítrio;

c) Mas jamais somos abandonados pelo socorro divino, pois nunca podemos ultrapassar os limites mínimos de dor colocados por Deus.

440. Quer dizer então que nunca sou “coitadinho”?

a) Eu só me sinto “coitadinho” porque vejo a mim mesmo com orgulho;

b) Nessas horas acho que é injusto passar por situações difíceis, já que sou tão “bonzinho”, tão correto, digno somente de coisas boas;

c) Só que, no meu entender, coisas boas são aquelas que não exigem esforço, colocando-me em situações de privilégios.

441. Poxa! Não dá “para pegar mais leve”?

a) Lembra-se quando Jesus disse que o seu fardo era leve?

b) Pois bem, seria impossível alguém produzir fardos mais leves para nós, do que Deus. O fardo de Jesus é o mesmo que o de Deus.

c) E a perfeita maneira com que Deus torna nossos fardos muito leves, é que tenhamos o trabalho de carregá-los;

d) Pois o trabalho honesto, feito com alegria, cansa, mas não pesa;

e) Veja todas as pessoas que trabalham com aquilo que realmente gostam;

f) Até o cansaço demora para chegar, dada a satisfação que elas sentem fazendo aquilo que gostam.

442. Com isso posso entender então, que mesmo sem saber qual é a minha situação, entendendo como nosso Paizão é, agindo sem revolta, jamais vou transformar minha prova em expiação e vou sempre transformar minha expiação em provas?

a) Parabéns! É simples assim.

Vale ainda lembrar, que tudo isso é possível porque esquecemos de nosso passado durante nossas encarnações.

 

Leia também

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: