Home » Destaques, Espiritualismo, Estudos, Kardec corrige

Parte 5: A revisão de “O Livro dos Espíritos” – Livro Terceiro, Capítulo 1

Enviado por on 09/01/2018 – 16:54
daisy-2491831_640

LIVRO TERCEIRO – AS LEIS MORAIS

CAPÍTULO 1 – A LEI DIVINA OU NATURAL

(leia os capítulos anteriores)

 

I – Caracteres da Lei Natural

Questão 615

a) Se a lei de Deus é eterna e imutável, quer dizer que jamais ela muda o que faz;

b) E que ela funciona da mesma maneira de toda eternidade;

c) Portanto, não há milagres, pois Deus não faz nada que possa ser melhorado;

d) A Doutrina Espírita mostrou que tudo é natural; que não existe o sobrenatural, mas somente o que é desconhecido;

e) Sendo assim, Deus jamais se contradiz;

f) Ele não pode nos ensinar uma coisa em um tempo e depois dizer outra em outro tempo;

g) Então, toda e qualquer contradição ensinada não vem de Deus, mas dos homens;

h) É preciso assim pensar melhor sobre dizer que a Bíblia, com todas as suas contradições, seja a palavra de Deus; ela é o resultado da interpretação anímica da época em que foi escrita;

i) Daí as mudanças constantes nos textos bíblicos, que nada mais são que manifestações de interesses das religiões que as usam.

j) Veja a questão 616.

 

Questão 618

a) A resposta pode dar a entender que as leis de Deus variam de acordo com os mundos;

b) Elas não mudam;

c) O que muda são suas infinitas formas de serem aplicadas; assim como a nossa capacidade de entendê-las, de acordo com a nossa evolução;

d) Também as verdades de Deus são imutáveis e, portanto, absolutas;

e) Tudo o que contrarie essas verdades, mesmo que de forma parcial, está errado e tem que ser corrigido;

f) E isto dá total embasamento a este trabalho;

g) Nos mundos onde estas verdades, mesmo que parciais, não são distorcidas pelo orgulho e o egoísmo, a evolução se processa de forma mais tranquila;

h) Assim será nosso planeta neste Ciclo de Regeneração.

 

II – Conhecimento da Lei Natural

Questão 620

a) Mais uma vez a intuição bem explicada. Não fazer confusão com inspiração.

 

Questão 621

a) Prestar bem atenção na resposta.

 

Questão 621-a

a) É preciso que Deus os envie seus reveladores, por dois motivos principais:

b) Nossa capacidade parcial de entender suas leis e;

c) Para mais rápido aprendermos a corrigir as distorções que fazemos delas e também evoluirmos com maior rapidez;

d) Por isso, aqui no ocidente, Moisés e os profetas, Jesus e agora o Espírito da Verdade, e novamente Jesus com a Quarta Revelação.

 

Questão 624

a) Ler com muita atenção a resposta.

 

Questão 625

a) Diz Kardec: “Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que ele pode aspirar na Terra”, temos:

b) Mesmo sendo Jesus um espírito inimaginavelmente mais sábio que nós, ele:

c) Não usou nem de longe toda a sua capacidade para nos mostrar que com trabalho e esforço nós podemos ser como ele foi, quando esteve entre nós;

d) Apesar de sua imensa capacidade evolutiva, ele viveu e se comportou como um ser humano comum;

e) Sendo um Ego (Espírito propriamente dito) que não erra, seria errôneo ele dizer para sermos como ele em sua condição espiritual;

f) Ele não disse também para sermos perfeitos como Deus? Como, se estamos longe, sequer, da perfeição?

g) O que Jesus quis dizer foi que: praticando a Lei da Caridade, mesmo sendo imperfeitos, nós não praticaríamos o “mal”;

h) E, é a isso que o Ciclo de Regeneração nos levará, ao estabelecer a Caridade como a lei que regulará todo o comportamento social.

 

Questões 627 e 628

a) Respostas de grande importância;

b) Mostram como a Revelação Espírita restabelece as verdades de Jesus;

c) Principalmente agora, com a quinta fase, onde explica a característica de como Deus age conosco de forma amorosa, ou seja, o quanto ele nos ama, é o nosso melhor amigo, e trabalha sem parar pela nossa felicidade;

d) Por isso a fundamental importância de entendermos bem seus atributos.

 

  • Poderíamos perguntar: qual pai consideraríamos melhor?
  1. Aquele que nos deixasse soltos, sem orientação, à nossa própria sorte, nos dando todo dinheiro que pedíssemos, sem perguntar que uso faríamos;
  2. Ou o pai que nos desse liberdade com orientação, nos corrigindo sempre que fôssemos errar, preocupando-se conosco, com nossas atitudes e com nossa felicidade, trabalhando por ela e nos levando sempre a ser feliz?
  3. Por que ficamos bravos com Deus, por ele fazer para nós muito mais que o segundo pai?
  4. Não estaríamos nos fazendo de “coitadinhos” e melindrosos?

 

IV – Divisão da Lei Natural

Questão 647

a) A máxima do amor ao próximo, só pode ser praticada pela aplicação da Lei da Caridade;

b) E como Jesus e Paulo de Tarso deixaram claro, ela é a condição necessária e suficiente para fazermos a vontade de Deus – (Parábola do Samaritano e Hino a Caridade);

c) Com ela respeitaremos integralmente todos os direitos de nosso semelhante;

d) Como consequência estaremos fazendo tudo o que pudermos pela felicidade deles;

e) Logo a prática da Lei da Caridade satisfaz toda a vontade de Deus em relação a nós, e consequentemente a aplicação de suas leis.

 

Leia também

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: